Orientação para a execução de pesquisa de opinião pública

Orientação para a execução de pesquisa de opinião pública

por estatística 0 comentários

Uma pesquisa de opinião pública visa à obtenção de parâmetros de proporcionalidade existente entre seus constituintes acerca de determinado evento. Esses valores, pontuais e sujeitos a sazonalidades, devem ser interpretados como tal e apenas com uma consistência de levantamentos periódicos, é possível inferir tendências e evoluções, uma vez que o que será retratado na mesma será uma posição fixa da situação, dentro de uma margem de erro inerente, mensurável e controlável.

No corpo do presente artigo, será definida a estratégia de execução de uma pesquisa de campo, bem indicações para o correto cálculo das informações levantadas e a interpretação adequada dos valores obtidos. Assim como é necessária apenas uma pequena amostra de sangue coletada para a verificação da existência, por exemplo, de alguma doença, precisamos obter a informação de apenas um pequeno grupo de pessoas para conseguirmos inferir a distribuição global da mesma na população. A única ressalva que deve ser feita é a de que o grupo de teste (elementos-alvo da pesquisa) deve ser representativo dentro de seu universo; assim, por exemplo, caso a população apresente uma composição de 60% de homens e 40% mulheres, o grupo de análise deve seguir a mesma proporção, buscando recriar ao máximo o universo leia mais
Burrice tem cura? por educação 0

Burrice tem cura?

Vejamos dois artigos perturbadores: Artigo 1 - “Burrice é genética e deveria ser curada, diz pioneiro do DNA – Jornal do Brasil, 28/02/2003. LONDRES - A burrice é uma doença genética que deveria ser curada, segundo James Watson, um dos dois cientistas que descobriram a estrutura do DNA há 50 anos, uma conquista que lhe valeu o prêmio Nobel de Medicina em 1962. A declaração foi dada pelo cientista num documentário da TV britânica Channel 4 que será transmitido amanhã para comemorar o 50º aniversário da chamada ''descoberta do século''. Watson defende que as pessoas burras ou com coeficiente intelectual baixo que não têm um transtorno mental diagnosticado sofrem de uma desordem que é transmitida de forma hereditária pelos genes, como acontece com doenças como a fibrose cística ou a hemofilia. ''Se alguém é realmente burro, chamaria isso de doença'', diz o renomado professor, grande impulsor do Projeto Genoma Humano, a iniciativa internacional para decifrar o chamado 'mapa da vida'. Watson considera um erro associar a lentidão na aprendizagem a uma situação de pobreza ou a problemas familiares, ''como diria muita gente'', já que é mais provável que exista uma causa genética que pode e deve ser corrigida. Na opinião de Watson, que aos 75 anos é
Top