Sua empresa conhece o Haka?

por gestão 0 comentários O Haka é o conjunto de danças Maori usadas para diversos fins, entre eles intimidar, desafiar e mostrar desprezo aos rivais através de movimentos fortes, ritmados, viris e irônicos executados em conjunto com palavras de ordem e elevação. Os aborígenes da Nova Zelândia criaram essas danças para que um grupo inteiro possa se expressar em uníssono a fim de transmitir uma mensagem forte e poderosa, trazendo um impacto psicológico severo em quem as executa e em quem as assiste. Em uma situação de iminente desafio, o Haka é usado na Nova Zelândia para tornar coeso e focado o grupo de combate, potencializando as ações de seus membros e abalando o moral dos rivais com gestos e palavras de ordem. Quando vários fazem a mesma coisa, perdem a sua individualidade (e suas fraquezas) e passam a ser apenas um só, tornando-se um inimigo muito maior que se bem coordenado, passará a ser o conjunto das virtudes de seus componentes e terá como pontos fracos apenas aqueles que perpassarem por todos. Dentro das empresas, os inimigos e obstáculos são os mais diversos: concorrência, deficiências internas, cenário econômico, metas de crescimento, mudanças de padrão de consumo etc. Tudo isso faz com que o gestor tenha leia mais

Os 3 fatores para fechar um ótimo contrato

por desenvolvimento pessoal, gestão 0 comentários Para que um ótimo contrato seja fechado é preciso um excelente produto, argumentos sólidos e coragem. Ao se preocupar com as necessidades de seu cliente, estudar os seus problemas, identificar as suas melhores soluções e expô-las de forma elegante, coerente e concisa, com justificativas impactantes e sem receio de apresentar os seus custos compatíveis o vendedor tem altas chances de sucesso. O primeiro passo é ter em mãos uma oportunidade que o mercado se interesse, que possa ser oferecido ao cliente e que efetivamente solucione determinado problema e atenda as suas necessidades de forma diferenciada, eficaz, confiável, implantável em tempo adequado e com custo compatível com o seu retorno. Porém, para que exista o contrato fechado, não basta apenas ter nas mãos um ótimo produto, é necessário ter na cabeça argumentos impactantes que transmitam ao cliente todas as vantagens e as soluções que serão trazidas através desse negócio. Pesquisar sempre sobre o seu nicho de mercado, sobre os acontecimentos no universo que a sua empresa está inserida e principalmente sobre o entorno da empresa que se pretende fechar o contrato. Depoimentos de clientes, selos de certificação de excelência e parcerias estratégicas completam o conjunto de argumentos interessantes para vender bem o seu leia mais
O perdão por desenvolvimento pessoal 0

O perdão

- Mestre, Tiago e eu não estamos de acordo sobre os teus ensinamentos quanto à redenção do pecado. Tiago afirma que tu ensinas que o Pai nos perdoa, mesmo antes de Lhe pedirmos. Eu defendo que o arrependimento e a confissão devem vir antes do perdão . Qual de nós tem razão? Um pouco surpreendido pela pergunta, Jesus parou em frente da muralha oriental do Templo e, fitando intensamente os quatro, respondeu: - Meus irmãos, errais nas vossas opiniões porque não entendeis a natureza das íntimas e amantes relações entre a criatura e o Criador, entre os homens e Deus. Não conseguis compreender a simpatia compreensiva que os pais sábios têm pelos filhos não amadurecidos e por vezes em erro. É, verdadeiramente duvidoso que um pai inteligente e amante se ponha alguma vez a perdoar um filho normal. Relações de compreensão, associadas com o amor, impedem, efetivamente, essas desavenças, que, mais tarde, precisam de reajuste e arrependimento do filho e perdão  do pai. Digo-vos que uma parte de cada pai vive no filho. E o pai goza de prioridade e superioridade de compreensão em todos os assuntos relacionados com seu filho. O pai pode ver a imaturidade do filho por meio da

Todas as fórmulas do mundo

por vestibular 0 comentários Nesse artigo vamos falar um pouco sobre a infinidade de fórmulas que existem na vida de um vestibulando e como devemos proceder com elas! Sabemos que as matérias de exatas (Matemática, Física e Química) possuem diversas fórmulas e regras de cálculos que são imprescindíveis para a resolução de milhares de exercícios. Ainda não tive a paciência (ou a falta do que fazer) para contá-las, mas certamente todas elas juntas ocupariam um espaço enorme na memória de qualquer ser humano normal! Então, qual a saída para conseguir resolver os exercícios que precisam dessas fórmulas no Vestibular? Bom, obviamente não cairão todas na prova que você irá fazer, e todos os vestibulares mantém certas regras de formulação de suas questões ano após ano. Assim, a primeira dica que eu posso passar para é: estude primeiro o vestibular que irá prestar, saiba quais são os tópicos que mais aparecem nessas provas e foque seus estudos nesses pontos (incluindo suas fórmulas). Outra sugestão que posso passar é a de que você não deve se preocupar com fórmulas específicas que tratam de detalhes de determinado assunto. Lembre-se de que caso caia uma questão que exija algum conhecimento dessa natureza, não estará avaliando a capacidade de raciocínio de um leia mais

Múltiplas inteligências: as diversas visões sobre inteligência através dos exemplos de Gandhi, Einstein e outros

por desenvolvimento pessoal, educação 0 comentários A conceituação de inteligência depende muito do observador, lastreando suas visões de acordo com seus talentos, experiências, convivências e naturezas espirituais. Certamente que não existe apenas um tipo de Inteligência, mas sim um conjunto delas, mais ou menos desenvolvidas em cada indivíduo, que traduz a sua interação com o meio no qual este está inserido e que reflete suas possibilidades de extravasar suas ambições, desejos e naturezas, lastreados em sua missão de vida, em seu propósito de existência nessa experiência terrena. Em conjunto com essa realidade, temos também a interface das pessoas consigo mesmas e com o mundo, o que faz com que de acordo com cada pessoa, a percepção de ser “inteligente” sofre severas alterações, tornando difícil a definição exata desse conceito multifacetado. Atualmente, acredita-se que o ser humano é dotado de um conjunto de inteligências paralelas, as quais podem ser observadas pelas suas externalizações e valorizações em expoentes da Humanidade, tendo em suas obras e biografias que ser inteligente seria ter, entre outras, as habilidades e competências que este apresentava ao mundo. Esse conceito de inteligências múltiplas foi desenvolvido na década de 1980 por um conjunto de pesquisadores da Universidade de Harvard, capitaneado pelo psicólogo Howard Gardner, com vistas na leia mais

Como dizer certas coisas?

por desenvolvimento pessoal 0 comentários “Pressentindo que seu país em breve iria mergulhar numa guerra civil, o sultão chamou um dos seus melhores videntes e perguntou-lhe quanto tempo ainda lhe restava viver. O vidente então lhe respondeu: - Meu querido mestre, o senhor viverá o bastante para ver todos os seus filhos mortos. Num acesso de fúria, o sultão mandou imediatamente enforcar aquele que proferia palavras tão alterradoras. Então, a guerra civil era uma realmente uma ameaça! Desesperado, chamou um segundo vidente procurando saber se ainda seria capaz de controlar uma situação potencialmente explosiva e lhe fez a mesma pergunta: - Quanto tempo viverei? - Senhor, Deus lhe concedeu uma vida tão longa que ultrapassará a geração dos seus filhos e chegará à geração dos seus netos. Agradecido, o sultão mandou recompensá-lo com ouro e prata. Ao sair do palácio, um conselheiro comentou o vidente. - Você disse a mesma coisa que o adivinho anterior. Entretanto, o primeiro foi executado e você recebeu recompensas. Por que? O vidente revelou com sabedoria: - Porque o segredo não está no que você diz, mas na maneira como diz. Sempre que precisar disparar a flecha da verdade, não se esqueça de antes molhar sua ponta num vaso de mel.” O texto acima chama-se A História dos Dois Videntes. leia mais

Por que não 44?

por desenvolvimento pessoal 0 comentários Meus queridos, estava eu exercendo meu hábito de ler o jornal Folha de São Paulo e me deparei com uma entrevista  que me chamou a atenção e decidi compartilhar com todos vocês sobre meus devaneios sobre a matéria. A bem da verdade não foi nem tanto o assunto da entrevista em si que me fez refletir sobre nossas vidas, em especial como as tratamos no que tange à nossa capacidade de atuar frente às nossas obrigações. Dessa forma, a pergunta que retumbou em meu cérebro foi: por que não somos mais eficientes? Pois bem, perdoem-me pela digressão, irei ao assunto: trata-se da entrevista de hoje, 03 de agosto de 2009 com Gérard Saillant, presidente da Comissão Médica da FIA (Federação Internacional de Automobilismo), que relatou suas impressões acerca do acidente ocorrido com o piloto brasileiro Felipe Massa na Hungria no último dia 25 de julho, que apresentou assombrosa semelhança daquele que ceifou a vida de um dos poucos heróis nacionais que temos: Ayrton Senna da Silva. Não caros leitores, não refletirei sobre a efemeridade de nossas vidas, o impacto das casualidades em nossas certezas ou algo parecido. Na verdade a entrevista foi bem previsível em se tratando de uma autoridade do automobilismo internacional relacionada leia mais

As perspectivas da inteligência

por educação 0 comentários O conceito inteligência é caracterizado através de três perspectivas, o inatismo, o empirismo e o construtivismo. O primeiro defende que a inteligência é um dom, uma capacidade, que possuímos desde o nosso nascimento e independe da nossa trajetória pessoal, ou seja, não interessa os esforços ou os ensinamentos que a pessoa experimente, pois sempre terá o mesmo nível de inteligência. Assim sendo, a nossa inteligência independe de nós e dessa forma, o sujeito é considerado passivo, subordinado à sua herança genética. No segundo (o empirismo), o desenvolvimento da inteligência baseia-se no somatório das aprendizagens que o indivíduo tem a possibilidade de experimentar. Nessa visão valoriza-se todas as ações que visem o desenvolvimento da inteligência, baseando-se naquilo que a pessoa conhece e com base nessas informações que há a possibilidade de aprimoramento das relações mentais que esta faz com as informações do mundo que a cerca. Finalmente o terceiro, o construtivismo, tem a visão de que a inteligência é o que possibilita de modo estrutural e funcional nossas relações com os elementos do mundo que nos cerca, ou seja, ela expressa o que podemos compreender e realizar segundo o nosso estágio de desenvolvimento. Nessa visão a inteligência é considerada na perspectiva de autonomia leia mais

Criadores e Criatura

por educação 0 comentários Um Estado não é composto por instituições e normas, mas por pessoas que criam mecanismo e representações para gerirem suas vidas em comunidade. Assim sendo, a qualidade moral e intelectual dos criadores e gestores últimos de uma nação recebem contornos de significância extrema, uma vez que embasam as tomadas de decisões e as criações de um povo herdam de seus genitores suas qualidades e defeitos. Sendo a nação a imagem e semelhança de sua população, não resta caminho alternativo para o fortalecimento de si mesma do que investir tempo, inteligência e recursos para o crescimento mental de seus elementos constituintes. A valorização da mente, tanto da parte do educador, quanto do educando, traz resultados revolucionários no médio e longo prazo, agregando valor a todos os setores sociais, pois qualifica suas concepções e práticas. Criando um ambiente social que incentiva o saber é gerado um sistema voltado para a constante melhoria crítica e de possibilidades de sucesso no que tange à competitividade internacional. Assim, os parâmetros de valores traduzidos em empenhos atuais delinearão o vulto do que cerca uma nação e da força e qualidade dos vínculos e interações existentes entre seus integrantes. Toda sorte de consequências está lastreada nas escolhas feitas e leia mais

Interdisciplinaridades: algumas relações da Astronomia com o ensino básico

por astronomia, educação 0 comentários O relacionamento de conteúdos traz uma possibilidade de estabelecimento sinérgico de conhecimento, estruturando pontes lógico-dedutivas entre vertentes distintas do saber, o que gera um incremento na horizontalidade dos temas e abre caminho para as suas verticalidades. Dessa forma, no recorte da Astronomia em sua relação com o ensino básico, podemos relacionar algumas interdisciplinaridades que, naturalmente, não esgotam as possibilidades, servindo como fonte de instigação e sendo um convite para uma reflexão aprofundada acerca do estabelecimento de outras interações conceituais. Na listagem abaixo, encontramos relacionamentos na forma um-a-um, ou seja, com restrição na quantidade de matérias relacionadas, sendo apresentadas apenas as interações entre a Astronomia e algumas disciplinas. 1. Educação Artística • Criação de um mini-planetário utilizando as informações da Carta Celeste e a criatividade dos alunos e professores. • Exposição de telas inspiradas nas imagens celestes. • Trabalho de artes plásticas a partir do uso das imagens e informações astronômicas, como instalações, colagens, dobraduras e esculturas. • Criação de uma peça de teatro envolvendo a mística astronômica bem como suas lendas. • Desenhos das figuras mitológicas. • Produção de quadrinhos com histórias mitológicas e de ficção científica. • Criação de músicas e poemas com base nas histórias mitológicas. • Feira de objetos de ficção científica, como roupas intergalácticas, naves, extraterrestres, leia mais
Top